quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Vida longa ao Beleléu!






Desde que o meu irmão me escreveu no dia 7 de janeiro, meu terceiro dia de viagem pela Europa central e aniversário de 26 anos dele, eu me pego tentando pensar numa maneira de evitar que meu projeto de blog vá pro beleléu.

Quando publiquei o que teoricamente foi o meu último post sobre a minha aventura solitária - ainda falta escrever sobre o tenso dia que passei em Auschwitz -, pensadamente escrevi no rodapé: FIM DA MINHA VIAGEM, para ver se causaria reações (e se alguém estava lendo isso aqui).

Um ou dois dias depois, li o comentário da Isa, que me fez pensar ainda mais sobre seguir com o Beleléu. Ela sempre foi uma das pessoas que mais me incentivou (para tudo) e, dessa vez, mesmo meio que sem querer, foi de novo determinante (como foi também quando eu estava insegura sobre deixar ou não o Brasil).

Em um dos posts, a Ritinha, com quem eu tive a agradável surpresa de (re)encontrar no meio dos comentários desse blog, escreveu que tinha saudades dessa vida de viajante. Por mais simples que possa parecer, o que ela publicou aqui me fez pensar por um tempão sobre um monte de coisas. Afinal, daqui a (muito) pouco, eu também já não serei mais viajante, certo? Não, errado.

E foi para mostrar para ela (e pra mim mesma) que a gente pode ter "essa vida de viajante" mesmo em casa, que eu disse que gostaria de escrever um post sobre isso.

Depois de um ano e nove meses longe do que eu acreditava ser a "realidade", percebi que enquanto estive fora me senti muito mais livre para viver, em todos os sentidos, do que em meu próprio país. Na Espanha, todas as roupas daquelas catalanas me pareciam super esquisitas no início, os cabelos então! E eu me deslumbrava com o jeito que elas desfilavam os modelitos: nem aí para ninguém, sem esperar a aprovação ou condenação de desconhecidos. Parecia que ninguém tinha medo de mudar, de ser o que bem entendesse. Reconheço que pode ser que não seja bem assim para quem nasceu lá, que essa é a visão de quem tá de fora. Mas é o jeito que eu gosto de interpretar isso e, portanto, a maneira como eu posso escolher viver. Já em Dublin, não vou negar que achei o máximo ser considerada exótica e ser elogiada pelos meus belos olhos (gente!!! my eyes are SO ordinary!!!!). Lembro que meus amigos irlandeses me perguntavam como a brasileira pode ser tão assim, tão assado, tão mil vezes melhor que a irlandesa. De novo, tudo pode mesmo não passar de clichê, mas por que não incorporá-lo if it feels good? De repente, no finzinho dessa temporada, percebi que eu cometia um grande erro ao tratar o meu passado como "a realidade" e de viver pequenas crises pensando que teria que voltar a ela. Estava errada porque a minha vida continua sendo real em qualquer continente. Eu só não conseguia me permitir relaxar totalmente porque a vida que eu levava (e até eu mesma como mulher) estava saindo muito melhor do que a que eu sempre levei (e a que eu sempre fui). E acho até surpreendente esse meu sentimento de ansiedade (do tipo friozinho na barriga bom) por voltar: agora eu aprendi como eu quero (e posso) levar a minha própria vida, e que ela é só minha. Acho de verdade que posso conseguir me sentir turista na minha própria cidade e viver outras mil loucuras e desafios. Doesn't it sound good?

Mas eu sei que a Ritinha devia estar pensando na Torre Eiffel, no D’Orsay, no Arco do Triunfo, nos vinhos franceses e etc. Isso tudo vai sempre estar lá, isso é o melhor.

***

Por isso eu decidi que o Beleléu não vai morrer. Aliás, essa ideia nasceu em Chamonix, na França, há dois meses, quando o Romain (nosso amigo francês que nos levou para esquiar lá e que fala português fluentemente) me perguntou o que significava beleléu, depois de eu ter mencionado a expressão "foi pro beleléu", em desuso há umas duas décadas. Eu tentei explicar, a silvia tentou ajudar, ele fez que entendeu, mas a gente sabia que na real não existe uma definição palpável para isso.

Alguns instantes de reflexão depois, eu visualizei o beleléu como um lugar distante e desconhecido, exatamente como me pareciam os países que eu estava prestes a explorar sozinha e, por isso, gostei da ideia de dizer que estava no beleléu. E é também por isso que o blog não vai acabar aqui - decidi que quero continuar vivendo nesse lugar.

Já mencionei o email do meu irmão e disse que foi a partir dele que comecei a pensar num novo projeto.

Publico o teor dele aqui:

Eu escrevi tudo isso pensando em colocar como comentário no seu blog, como eu gostaria, mas talvez não seja o caso.

Só hoje fui ver o seu blog. O curioso é que antes os diários eram secretos e invariavelmente escritos por meninas. Um seu tinha até cadeado! Hoje tudo é escancarado por todos para meia dúzia de "seguidores", termo que mais lembra discípulos de alguma divindade ou do chapolin: sigam-me os bons!
Então, é uma pena que você tenha criado este blog só em 2010, 19 meses após sua fuga do terceiro mundo e a poucas semanas de voltar para ele. Deixamos de saber de várias aventuras cotidianas suas, quase quedas do trem e quase perdas de voos (vai se acostumando com o desacordo ortográfico).
Deve ser foda mesmo encarar sozinha o invern
o alemão, quando nem os turistas parece que aparecem. Só uns brasileiros perdidos e com inglês ruim que você insiste em ignorar. Espero que escrevendo seus relatos e lendo esses comentários você se sinta menos nômade e mais integrada às pessoas que vão te receber aqui de volta. Em relação ao medo da reinserção social, acho que a última coisa que vai acontecer com você é ficar como a velha da penne pasta, já que você tem raiva de qualquer rotina. Além disso, as trocentas pessoas que foram se despedir de você e da Silva no Copan não iam te permitir uma vida tão monótona.
Eu reconheço que o meu mal é a inveja, nem tanto da sua época de trabalhos braçais e mal pagos, mas desses tempos à toa pela Europa. Espero um dia conhecer metade dos lugares que você vai ter visto até o fim do seu exílio.
A vantagem do chapéu e das botas é que você pode ir trajada de russa em alguma festa a fantasia ou virar atração turística no shopping de Campos do Jordão.
Hoje vou comemorar um ano a menos de vida num bar da modinha que abriu perto da sua ex-casa. Chama Tubaína. Como no ano passado, você não imagina quanta falta vai fazer.
Beijos,
Fernando


Com um irmão assim, como não voltar confiante???

***

Não que mais alguém queira saber ou realmente se importe com as minhas aventuras cotidianas, mas eu gosto de escrever. Não tá aí um bom motivo para continuar? Então eu decidi publicar, em cada um dos meus útlimos dias de Europa, os meus top funny moments aqui. Porque tenho certeza que são entertaining enough e porque eu quero guardá-los na memória para sempre (e como a minha é fraca, talvez o Beleléu me ajude com isso mais pra frente).

Vai começar depois de Auschwitz. Aguardem.

((FOTO: O tempo entre pouso e desembarque do meu voo Budapeste-Dublin, pela Ryanair, foi de, pelo menos, meia hora. O suficiente para criar o Julinho. Na tira "Adaptação", ele, que não faz parte do universo em três dimensões, como um bom boneco de palitinho, se vê diante de uma cadeira com profundidade. Acha a novidade interessante e chega até a experimentar sentar-se nela. Mas quando se depara com a antiga cadeira de palitinhos fica mais confortável (o conforto físico não está em jogo) e decide: é ali que prefere ficar))

((Foto 2: Eu voltava do meu exame do IELTS, que fiz algumas horas depois de desembarcar em Dublin, quando vi o que considero a pior propaganda de todos os tempos. Afinal, Gaudi tem a sílaba tônica no i!! Que absurdo!))

((Foto 3: Depois da prova, tentei ir pra "festa de fim de ano" da firrrrrma, mas me atrasei (estava ocupada dormindo). Ainda deu tempo de ir na house party do Alex! Na foto, eu e ana, dona dos sapatos da foto abaixo - não parece que estou bronzeada perto dela??!!))

((Foto 4: As irlandesas só usam saltos desse tamanho pra cima!!!))

((Foto 5: No dia seguinte, o Alastair me levou para fábrica da Guiness, onde eu ainda nunca tinha ido (sério!). O passeio não é dos mais legais, na verdade você não conhece o lugar onde a guiness é mesmo feita (como a fábrica do whisky bushmills na Irlanda do Norte), só um museu tosco. Mas se for com a companhia certa, pode ser um dos mais legais que você já fez na vida.))

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Sem classe






Pensei em deixar Budapeste para outro post.

Não que a viagem não tenha sido demais. Mas a volta a Dublin foi tão surpreendente que, por incrível que possa parecer, ofuscou um pouco a minha última parada. Talvez porque a minha vontade de rever as meninas e a cidadezinha que me recebeu tão bem foi tanta que eu quase não consegui me concentrar na leitura do meu super guia da Europa central (ou dos mapas da cidade que eu teimava em perder).

Comecei então a escrever o que seria um relato breve sobre Buda e, claro, acabei me alongando. A volta a Dublin fica para amanhã.

***

Depois das duas horas dormindo no sofá do albergue de Viena (e do grito "it's already passed 5 minutes", do recepcionista fofo que me ajudou a acordar) cheguei às 6h45 na plataforma 11 de Westbahnhof, o que foi para mim quase um recorde de pontualidade (o trem saía às 6h50)! E, apesar de curtas, eu ainda contava com as três horas de viagem até Budapeste para completar a minha média de cinco horas de sono diárias.

"Can I take any seat?", foi a primeira coisa que eu perguntei para o primeiro funcionário do trem que eu vi, por causa do meu trauma anterior de me meter em vagões com destinos obscuros e porque eu queria logo largar todas as minhas tralhas no primeiro lugar que eu visse - já não aguentava mais segurar uma bolsa de mão lotada e duas sacolas plásticas cheias de lixo que eu não tinha nem coragem de jogar fora, além do mochilão.

Ele disse que sim.

Entrei no primeiro vagão que vi pela frente e adorei as poltronas de couro super confortáveis dispostas em pares. "Os trens europeus são mesmo uma caixinha de surpresa", pensei, inocente. Espaçosa (o trem estava vazio!), já joguei tudo em duas de uma vez. Passei dez minutos arrumando as malas, colocando tudo no lugar, sentando, levantando, me ajeitando para encontrar uma posição em que poderia dormir pelas próximas horas. De repente, uma aeromoça (para trens) surgiu do nada e distribuiu um suquinho e um pacote de salgadinho para cada passageiro.

Tudo bem, não posso negar que nesse ponto já desconfiava que eu não pertecia àquele vagão, especialmente depois de prestar atenção aos senhores meus vizinhos de viagem com seus respectivos ternos e notebooks, nada que ver com mochilões e sacolas plásticas cheias de lixo. Por isso, quando recebi o suquinho (que não hesitei em beber de uma vez só), achei que aquela pudesse ser a classe errada. Mas lembrei do que o funcionário que falou ("yes, any seat") e dei uma de armless john*. Fiquei lá mesmo.

De longe, vi o mesmo funcionário anteriormente abordado recolhendo os bilhetes dos passageiros. Eu, já confortável entre toda aquela gente trabalhando incansavelmente (até pensei em abrir o meu humilde netbook para me sentir ainda mais 'in'), mostrei o meu ticket sem medo.

"This is not your class."

Quê???????

Meu mundo caiu. Depois de tudo! De me familiarizar com o vagão e meus vizinhos passageiros, depois de tomar o suquinho e tudo mais, eu teria que me mudar?????? Meu deus, quanta humilhação!!!

Depois de uns cinco minutos arrumando tudo de novo, recolhendo todas os chocolates, livros e a pantufa que já estavam do lado de fora da mala, finalmente fui embora, me sentindo o Chaves sendo expulso da vila (sabe, com a trouxinha no ombro??)

Tudo bem, dei até tchauzinho para um dos meus então-ex-companheiros de viagem e segui pelo corredor em direção às classes mais baixas.

No vagão seguinte, as poltronas estreitas dispostas de três em três me fizeram crer que aquele sim era o meu lugar. Então, ainda com o salgadinho da primeira classe na mão (isso é o que eu chamaria de roubatinha involuntária), de novo espalhei minhas malas por todos os lados, peguei o que seria necessário para o meu sono e, enfim, comecei a me ajeitar para dormir (apesar dos raios do sol nascente que começavam a refletir no chão coberto de neve e ofuscar a minha visão).

De novo, o inspetor.

"Sorry, but this is still not your place", ele me disse, num tom envergonhado.

Eu comecei a rir e disse a única coisa que caberia para aquele momento: "REALLY???" Ele também deu uma risadinha - e eu comecei a ficar irritada de verdade, afinal de contas, não estava escrito em lugar nenhum nos vagões que classe era aquela e, anyway, ele não tinha me dito lá na plataforma que eu poderia sentar em "any seat"?? Puta que o pariu.

Fingindo não estar irritada e sem nem tempo de pensar no drama da humilhação e tudo o mais, já automaticamente coloquei tudo pra dentro da mala de qualquer jeito e andei, andei, andei até chegar em um vagão com uns paquis, mulheres com panos variados enrolados na cabeça e crianças chorando. Afinal, encontrei o meu lugar!

Toda essa brincadeira levou um pouco mais de uma hora e, no fim das contas, a contabilidade ficou em meia hora de sono.

Tudo bem, eu vou pra Budapesteeeee!!!! (eu tentava afirmar isso pra mim mesma, para tentar esquecer que na verdade estava exausta e daria qualquer coisa por uma boa noite - ou dia - de sono em QUALQUER LUGAR)

Cheguei na estação principal de Budapeste enjoada e perdida, muito perdida. De novo, não tinha reserva em nenhum albergue. Ali mesmo já começaram a ficar claras algumas diferenças entre Budapeste e as outras cidades visitadas (Berlim, Viena, Praga e até Cracóvia). Vários senhores e senhoras um pouco desdentados abordando TODOS os passageiros que chegavam para que trocássemos os nossos euros nos "escritórios" deles. Claro que achei tudo aquilo meio esquisito e fui direto para o ponto de informações turísticas, onde as coisas não foram menos estranhas, apesar da dica de uma casa de câmbio com boa cotação para trocar o que sobrou do meu orçamento para essa viagem.

Eu perguntei para a mulher como eu fazia para chegar em um albergue indicado no meu super guia de Europa central e ela disse: "Olha, não é longe, mas se você quiser ficar no Marco Polo, onde a noite custa dez euros, eu mesma posso fazer uma reseva para você e uma van vem te buscar aqui na porta". Se eu não estivesse tão cansada, talvez desconfiaria de alguma mutreta.

Sem pensar duas vezes, respondi: "that's great! Deal". Em uma fração de segundos, o motorista da tal van chegou e, de repente, me vi andando atrás dele, acompanhada de um alemão mal-encarado.

No caminho, silêncio total. O limite imposto pelo idioma me fez sentir confortável com toda aquela mudez (geralmente quando eu entro em um táxi ou qualquer coisa assim, começo a falar sem parar, mesmo quando não estou tão afim).

Tudo deu certo e mais uma vez resisti, num esforço absurdo, à minha caminha já preparada naquele quarto fedido do albergue - afinal só teria aquele e metade do dia seguinte para Budapeste.

Na recepção, perguntei à mocinha qual seria uma boa maneira de conhecer a cidade em um dia. Ela me indicou o famigerado ônibus hop on/hop off e eu, que sempre fui totalmente contra esse específico tipo de transporte turístico, achei que aquele talvez fosse um bom momento para me livrar do velho preconceito. Passei a mentira da estudante que perdeu a carteirinha e consegui disconto no bilhete (eu até fiz uma carteirinha de estudante trambiqueira na pizza hut antes de viajar, ainda no Brasil, mas me roubaram em Londres e acho que ela já nem teria mais validade mesmo).

Sem pressa, fui almoçar num pequenino e aconchegante restaurante húngaro barato e, depois de um PF enorme com uma montanha de arroz e peixe com molho de queijo (estranho, né? Achei que só eu colocava queijo no salmão), saí andando pra qualquer lado. Dei de cara com a Sinagoga, de longe a mais linda que eu já vi na minha vida - e olha que eu não entrei (àquela altura 2.500 florins já faziam grande diferença pra mim).

De novo, saí andando em qualquer direção e cheguei no Mercadão da cidade (que eu nem sabia que existia). O passeio foi muito legal, adoro barracas coloridas de frutas e peixes fedorentos. Lá, comprei uma rolha decorada com uma bonequinha húngara que vinha com uma pimenta para afastar o mau olhado, pra Silvia, e um par de bananas pra mim.

Atravessei o Danúbio pela ponte Szabadság e cheguei em Buda (estava no lado Peste). Antes mesmo de sair da ponte, comecei a fotografar um prédio lindo na esquina. Turista mais perdida do universo, entrei lá e perguntei o que era aquilo (estava escrito hotel e spa do lado de fora). "Esse é o spa mais antigo da Europa", me disse uma fonte não tão confiável, um senhor que queria me vender cartões postais com fotos de piscinas cobertas de alto nível. Depois de uns dois minutos eu me toquei que eu estava Géllert Baths, um dos dois lugares famosos onde se pode tomar banhos em águas termais - e onde eu ironicamente estava mais ansiosa para chegar.

No meio de tanta empolgação ("Ahhhh, que delícia! Vou encerrar minha viagem com chave de ouro, relaxada num banho turco... Ahhhh, que vidão!!") eu lembrei de algo que na hora me pareceu só um detalhe: eu não tinha biquini. Como ia pensar em trazer um biquini para uma viagem de temperatura negativas??? Esqueci até o meu cartão de crédito!!! Por favor!

Lá dentro, os biquinis custavam 40 euros pra cima (o preço ficava ainda mais assustador em florins) e todos eram simplesmente UÓ, nem a minha vó usaria algo tão enorme. Afe Maria. Pensei em nadar com as minhas roupas de baixo, mas não achei conveniente.

Saí triste, mas otimista. Teria um dia inteiro de andanças para achar um biquini que me servisse. Atravessei a rua e dei de frente para uma caverna onde, um pouco receosa, entrei. Nos fundos, uma igrejinha. Achei fenomenal. Rezei, agradeci, paguei os pecados e saí.

Segui no sentido norte, peguei um funicular e subi até Castle Hill. Fiquei louca com aquela arquitetura e fiquei um tempão na gótica Mathias Church. Depois continuei passeando por ali, mas já era noite eu não tinha noção de como fazer para ir embora. De repente, vi um grupo de japoneses (aqueles que sempr andam em grupos enormes e que eu nunca tinha notado antes de o Rodrigo me falar) entrando no ônibus 16. Achei que aquele também pudesse servir pra mim e entrei (sem bilhete, porque não tinha noção de onde comprava). Cheguei sã e salva ao albergue e acho que não levei nem um minutos para pegar no sono.

No dia seguinte, acordei cedo para uma outra voltinha a pé, dessa vez por Peste: Museu Nacional, basílica de Szt. István, Chain Bridge, a mais antiga da cidade, e Parlamento, nessa ordem. Ainda deu tempo pra comprar uma bota linda, marrom e sem salto (já nem estava mais pensando no biquini ou nas águas termais, ficou para a próxima), pegar o dinheiro gasto para a entrada no busão hop on/hop off de volta (não foi nada pessoal, mas mesmo cansada achei que sair andando sem rumo seria mais legal), pegar minhas malas e uma van até o aeroporto para, finalmente, voltar para Dublin.

*Gíria de origem irlandesa datada do século 18, rapidamente aportuguesada para o clássico "joão sem braço" pelos brasileiros que, já naquela época, iam fazer dinheiro vendendo Guiness nos pubs de Dublin. A expressão tornou-se muito popular no Brasil dada a quantidade de brasileiros que viveram/vivem dando uma de migué na Irlanda.

((FOTO 1: A Assembleia Nacional da Hungria se reune no prédio mais antigo da Hungria. O Országház é o segundo maior parlamento da Europa))

((FOTO 2: A St. Stephen Basilica é tão alta quanto o Parlamento e a construção neoclássica levou 54 anos para ser finalizada - o colapso da cúpula, em 1868, atrasou os trabalhos))

((FOTO 3: A Széchenyi (Chain Bridge) é a ponte mais velha sobre o Danúbio. E certamente a mais bonita. A foto noturna foi tirada de cima de Castle Hill))

((FOTO 4: A caverna que virou igrejinha de pedra))

((FOTO 5: Segundo a Wikipedia, essa é a maior e mais monumental sinagoga da Europa. A fachada tem uma coisa meio árabe porque foi construída em estilo neomourisco (que imitava arte islâmica). Só não entrei pra ter que rolar a "próxima vez". Quem topa voltar comigo?))

FIM DA MINHA VIAGEM.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Sissi = Romy = ? / Mulher = homem = ?




((Assim que encontrar uma boa rede de wifi conserto os acentos desse texto))

Ouvi falar pela primeira vez da atriz Romy Schneider quando visitei o Museu do Cinema, no Sony Center, em Berlim. Fiquei hipnotizada pela beleza dela e analisei cartaz por cartaz, li texto por texto, ate entrevista em progama do Jo alemao eu fiquei la ouvindo. Essa foi tambem a primeira vez que escutei sobre a Sissi, imperatriz da Austria e Rainha hungara que Romy interpretou (aparentemente, eu ainda nao vi) tao bem no cinema que parece ela mesma ter virado um pouco Sisi tambem.

***

No meu ultimo dia em Berlim, em um bar com o Thomas, ele viu o folheto do Museu do Cinema com a foto da atriz no meu caderno e eu comentei que a historia dela me chamou a atencao. "Quantos anos ela deve ter hoje?", perguntei.

"Nossa, acho que faz uns 40 que ela morreu!!!"

"haaa!!! Nao acreditoooo!!!!!!" Eu respondi, chocada.

Muitas gargalhadas depois ("eu nunca nem tinha ouvido falado dela, c'mon"), ele explicou que achava que ela tinha morrido de overdose e eu fiquei surpresa de verdade.

Olha so que coisa: a Sissi era cosiderada a mulher mais bonita da Hungria do seculo 19. A Romy, muito mais bonita que ela, tambem deve ter sido vista assim na Alemanha dos anos 50. A Sissi se dizia incompreendida, nao conseguia viver sob a etiqueta real dos Habsburgo. A Romy teve que se esforcar muito para se desvencilhar da Sissi, trocando a Alemanha pela Franca - e causando aparente indignacao no publico alemao. Desde o suicidio do filho, a Sissi ja estava morrendo aos poucos, em depressao grave, ate que foi assassinada no meio da rua por um anarquista. O filho da Romy morreu com 14 anos e depois disso ela se afundou nas drogas, o que a levou `a morte por ataque cardiaco. A depressao de nenhuma das duas teve a ver exclusivamente com a morte do filho.

Achei louca a semelhanca entre elas e estava bastante curiosa para conhecer um pouco a rotina da Sissi real no Hofburg (Palacio de Inverno dos Habsburgo) - e tentar entender por que ela foi tao incompreendida assim.

Na verdade, acho que ela era tao bonita que ficou obcecada com a propria beleza ao envelhecer. Todos os dias, levava tres horas para se arrumar. Duas so com o cabelo (que alguem fazia para ela, claro). Sobrava tempo demais para pensar na vida! E tanta reflexao a fazia crer que estava presa em si mesma, naquela vidinha de mentiras, sem volta (por isso gostava tanto de viajar, era o seu unico escapismo). E, de alguma maneira, acho que isso foi um pouco o que levou a Romy a se matar tambem: pensar que a vida ja nao tinha mais volta.

Enfim, adorei a visita ao palacio e achei interessante a sala das pratarias, apesar do tedio de ver aquelas infinitas colecoes de porcelanas e pratas que a realeza usava para comer.

De la, fui dar uma voltinha no Museum Quarter. E o maximo aquele monte de exposicoes juntas, uma do lado da outra, num lugar so - no que e considerada a oitava maior area cultural do mundo, com predios modernos e barrocos juntos. O complexo e gigante e muito bonito. Fica de frente para o Hofburg.

Parece que o Leopold Museum e o mais famosinho, mas estava fechado ontem. Ainda bem, porque acabei indo ver a exposicao 'Gender Check', no Mumok (Museum Moderner Kunst Ludwig Wien).

Primeiro eu achei que fosse uma coisa modernosa sobre preconceitos relacionados `a homossexualidade e estava com um pouco de preguica desse assunto. Mas depois de saber do que se tratava, me interessei muito - so nao fiquei mais tempo la porque o museu fechou.

Eles reuniram 400 trabalhos de varios tipos de midia (principalmente pinturas e fotos) criados a partir de 1960 nos paises da Europa do Leste para mostrar como foram mudando os papeis do homem e da mulher na sociedade. Por exemplo, durante o comunismo, varios artistas pintaram o homem e a mulher idealizados pela propaganda do governo, focando a tal 'genderless society', em que nao haveria diferencas entre os sexos: as mulheres nao teriam as vaidades do ocidente e trabalhariam para o estado num esforco masculino. Na mesma epoca, pinturas lado B mostravam que a propaganda era mentirosa. Mais tarde, no comeco dos 70, veio a liberalizacao da sexualidade do homem e da mulher, transformando a propaganda do governo em cliche ultrapassado. Depois, com a queda do muro, as liberdades capitalistas chegaram acompanhadas de preconceito, conservadorismo e ate xenofobia.

Achei a curadoria o maximo (comandada por Bojana Pejic). A exposicao e muito bem organizada e faz sentido historico.

Claro que passei pela Lomo Shop, do lado do Mumok, e comprei o presente da Thata!

Depois da andanca, dormi no sofa do albergue com medo de nao acordar para o primeiro trem do dia: embarquei para Buda `as 6h50.

((Foto 1: Nao podia fotografar os apartamentos do Palcio de Hofburg, entao coloquei essa foto com porcelanas com motivos naturais pintadas `a mao, usadas pela realeza, que expicita a adoracao de Sissi pelo escapismo das viagens que fazia pelo mundo))

((Foto 2: O bigodinho e a menor das diferencas))

((Foto 3: Esse quadro de 1950 exemplifica bem o conjunto de pinturas (meio que desconhecidas no mundo da arte ate hoje) que obedeciam as ideias comunistas no Leste Eurpeu. Autor: Wojciech Fangor (Polonia). Reparem nas diferencas enre as unhas feitas de uma e a mao caleijada da outra mulher (uma trabalhadora e oura nao). E repare tb na estampa dos vestido da primeira. Note que o homem esta no centro da tela, representando o contraditorio papel principal na sociedade))

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

DER LUSTIGSTE TAG!






Quem aguentar firme e ler esse post até o final vai ver que o título faz sentido.

Meu primeiro dia em Viena tinha tudo para ser normal, afinal eu não conheço ninguém aqui - e não tenho mais tempo para novas amizades mesmo. Eu sei que essa parece uma atitude meio rude, mas depois de passar o meu penúltimo dia na Cracóvia com dois "novos amigos", que só me fizeram ver como pode existir gente maníaca-depressiva nesse mundo, decidi voltar para a minha resolução inicial e me fechar para a sociedade de novo.

Só que, ainda na Cracóvia, antes mesmo da partida do trem, a senhora polonesa que estava na minha cabine quis puxar assunto. Ah, um detalhe bem importante: ela não fala inglês).

A passagem de trem Cracóvia/Viena foi a mais cara até agora, 366 slots (o equivalente a 89 euros. As outras foram entre 40 e 60 euros). Claro, não tinha o que fazer, paguei. Na plataforma, esperta para não entrar no vagão errado, como eu fiz de Praga para Cracóvia, perguntei para um guardinha para onde deveria ir. "Sleeping seat?", ele me perguntou. Eu, cansada, respondi com um meio grosseiro "I don't know" (sabe aquele que tem a balançadinha no ombro e faz os músculos do lábio inferior se contraírem para baixo?). Então ele, gentil, foi comigo até a minha cabine. Aliás, uma coisa contraditória que eu aprendi aqui: se você é gentil, eles são grossos. Se você é grosso, são gentis. E eu, que não gosto de ser grossa, posso dizer que aprendi bem a regra.

Quando entrei na cabine, em vez de dois bancos inteiriços (com os quais já tinha ficado feliz na primeira viagem), vejo um beliche triplo de um lado e, do outro, um closet para os casacos e um armário com um croissant de chocolate e duas garrafas de água para cada passageiro! Não é o máximo??? Tudo bem que eu paguei por isso, mas achei um luxo. Então cheguei, coloquei TODA a minha bagunça na cama diretamente superior à da senhora previamente comentada, e fui ao banheiro. Na volta, aquela discussão (que eu, graças a deus, não pude entender). Fiquei sabendo, depois de algumas tentativas de comunicação, que a minha cama não era aquela, e sim a última, no topo (uma que tem dez centímetros entre a cabeça e o teto. Eu, que já tinha decidido dormir mesmo, não me importei.

Três horas depois, 1h30 da manhã, acordei com um barulho estranho. Sem óculos (e nem pistas dele - portanto não consegui ver as horas na correria, meu olho tava muito embaçado), eu quase caí do terceiro andar do beliche triplo. Não tinha ninguém na cabine! Eu saí muito assustada, desesperada, achando que já era mais de 6h30 e que eu tinha perdido o ponto (porque a senhora polonesa também ia para Viena).

Saí da cabine que nem uma louca, com o cabelo todo desgrenhado e as minhas pantufinhas verdes com pinguins de pelúcia. Ao mesmo tempo, um cara (um borrão, para os meus olhos) também saiu correndo da dele. Nos encontramos no corredor. "Is this Westbahnhof??". E ele: "Não, não... Relaxa, eu também achei que fosse". (Que engraçado esse diálogo inglês/português. Vou deixar assim mesmo). O cara é polonês, mas mora em Viena e voltava de uma visitinha à casa dos pais. Engraçado que a gente ficou conversando um monte e eu não tenho a menor noção de como ele é: espinhudo ou não, narigudo ou não, careca ou não... 20 ou 40: x. No fim da conversa, ele me contou que voltava de um casamento e que tinha um monte de comida na mochila, por isso não ia comer o croissant de chocolate. Me perguntou se eu queria, mas fiquei com vergonha de aceitar. No fim, ele disse pra eu colocar o alarme para despertar. Como eu ainda não tinha feito isso???

Cada um de volta pra sua cabine.

Quando eu entrei, encontrei meus óculos e percebi que, sim, a senhora polonesa ainda estava lá, debaixo do edredon. Fiquei morrendo de vergonha, porque conversei por uns dez minutos com o moleque/senhor? do lado de fora fazendo o maior barulho (eu falo meio alto). Claro que ela estava acordada. Me senti mal por uns dois minutos, mas depois já caí no sono de novo.

E tudo isso pra contar que, quando eu acordei, às 5h30, ela já estava de pé - e claramente querendo interagir. "kjhdkjahdjkshd"? "Humm... Sorry, I don't...", no que ela me interrompe: "jhdgcxty!!! ysfs, jkshkjs?" Então percebi que a vontade de conversar dela era tanta, que eu nem precisava entendê-la. Por isso começamos a ter o que eu decidi ser a verdadeira conversa sem pé nem cabeça. Ela falava qualquer coisa, eu respondia qualquer coisa. E a gente sempre concordava!!! Foi ótimo!

***

Já era quase 7h quando eu cheguei no albergue, a poucos metros da Westbahnhof, estação onde o trem parou. Pedi a chave do meu quarto e, apesar de o check-in aqui ser só depois das 14h (que ridículo), eu pedi "only a shower" pro cara e, com dó, ele me deu a chave do quarto de uma vez. Prometi pra mim mesma que não iria dormir. Resistiria bravamente àquela caminha feita e à escuridão do dia que acabara de nascer. Por isso, tomei um longo banho que me acordou o suficiente para que eu pegasse o meu super guia da Europa central e tentar programar o meu dia durante o café da manhã.

Pensei bem e decidi ficar em Viena por duas noites em vez de uma só. Então fui na recepção e me disseram que eu teria que mudar de quarto. Tudo bem, mais uma vez ficaria eu zanzando pelo albergue com todas as minhas tranqueiras. Antes de entrar no ex-quarto, que eu dividia com outras três pessoas, percebi que tinha gente dentro. Então dei aquelas três batidinhas básicas. Sem resposta. Por isso passei tranquilamente a minha chave magnética.

A primeira coisa que eu vejo é... Uma bunda branca! Acreditam????? Nada contra bundas, muito menos as brancas (é só o que tem por aqui mesmo). Mas eu bati na porta, gente!!! Pelo amor de deus. E o cara tava justo em frente à porta se trocando quando a toalha "caiu" da cintura dele.

Eu fiquei tão sem graça, mas tanto, que a minha reação na hora foi sair do quarto correndo, o que só piorou as coisas, claro. Eu fiquei atrás da porta que nem uma criança medrosa por alguns segundos até que decidi entrar logo de novo antes que ficasse mais chato. Entrei. Além do cara, estava lá também a namorada dele - o que torna as coisas ainda piores. Ela foi fofa, fez a que não viu nada. Eu imitei. Naquele sotaque australiano (que eu reconheci pela embalagem de um creme para a pele que eu vi no banheiro duas horas antes), ela me perguntou se tinha sido eu que entrei de manhazinha. Eu disse que sim, mas que "tentei não fazer muito barulho". E ela me contou sobre os "cops" que entraram em alguns quartos no início da madrugada (aparentemente houve algum tipo de confusão/assalto nesse albergue horas antes de eu chegar) e disse que achou que eu pudesse ser eles (???). Eu, que estava rezando pelo momento de sair voando daquele quarto, só consegui dizer: "Oh, no, no! You're safe with me!... ehh.. Bye!!" Foi ridículo. E o "sorry" baixinho do namorado dela piorou as coisas - se é que ainda dava pra piorar aquela situação.

Saí de lá rindo sozinha.

Minha primeira parada foi o Musikverein, a mais famosa sala de concertos da cidade, casa da Orquestra Filarmônica de Viena, que é aparentemente bastante famosa internacionalemnte pelas suas apresentações especiais de ano novo. Enfim, decidi ir lá em primeiro lugar porque o Rodrigo (um dos dois primos que eu conheci em Praga e que encontrei na Cracóvia) me disse que eles conseguiram ver um concerto lá no sabado por 10 euros. Quando eu cheguei, a mulher da recepção me falou que, por causa de uma baile anual, não haveria apresentações nesta semana. Eu pensei: olha só. Tem uma semana por ano que a orquestra não se apresenta e ela começa hoje. Que coisa!" Chateada, decidi pagar cinco euros para a vista guiada que começava às 13h. Como ainda era 12h30, resolvi dar uma passadinha na Vienna State Opera, construção de 1869 que abriga as óperas mais importantes da cidade.

Chegando lá, tentei abrir porta por porta, mas tudo estava aparentemente trancado. Só porque não tinha mesmo nenhuma outra opção, decidi abordar uma figura estranha, com capa de batman, chapéu engraçado e cara de mala, para perguntar se eles também estavam "fechados para baile" ali ou o que. Ele já foi abrindo um catálogo e começou a me mostrar quais lugares eu podia comprar e por quanto. A ópera em cartaz era Le Nozze di Figaro (O nariz de Figaro!! HAHAHA Imagiina? Tá, significa As Bodas de Fígaro) e eu queria MUITO ver. Então disse para ele esperar um pouquinho que ia tentar na bilheteria e já voltava (ele mesmo me mostrou a porta certa).

Na bilheteria, o vendedor disse que 192 euros era o preço do ingresso mais barato para aquela noite. E eu então perguntei sobre os caras com capas de batman que me ofereceram o ingresso na porta por 30 (sabe-se lá quando podemos confiar em cambistas). O bilheteiro muito grosseiramente me disse que "não sabe nada sobre isso". No que eu tentei insistir: "but I.. I..", ele me cortou de novo: "I don't know anything about them". Tá, fiquei puta e decidi comprar dos cambistas de uma vez, afinal a visita guiada do concert hall estava a ponto de começar.

O mala vestido de morcego com chapéu de don Juan me pediu para que o acompanhasse até o "escritório". "E onde é isso?", perguntei, com uma puta pressa (tinha 7 minutos para estar de volta no Musikverein). Uma canadense que também queria comprar entradas no mercado negro foi com a gente. Chegamos a uma loja de músicas e subimos as escadas, os três juntos, eu, a canadense perdida e o super-homem, e entramos numa fila, para o meu desespero. Falei na hora que não poderia esperar, mas que em meia hora voltava, sem problemas. Ele começou a mobilizar a galera pra me passar na frente de todo mundo. Eu, envergonhada, disse que de verdade não precisava daquilo, que eu já voltava. Combinamos então que eu não precisaria voltar - ele estaria na porta da casa de ópera me esperando com o meu ingresso. Achei bom e saí correndo.

Depois da pior visita guiada da minha vida - acho sinceramente que o guia do Musikverein passou mal e colocaram uma funcionária do Box Office para contar a "história" do lugar para gente. Então, aprendi só que no ano novo se paga 30 euros para ficar em pé e os melhores ingressos custam quase mil. Ela mostrou de onde cada ticket dá direito a assistir aos concertos e ticket isso e ticket aquilo. Ficou até chato. Daí ela falou um pouquinho das estátuas gregas nos pilares e do ógão, que na verdade não está lá (com 40 anos de idade vai ser trocado e, enquanto isso, com os tubos vazios, usavam um eletrônico - isso ela só falou porque eu perguntei!). Juro, foi a pior visita da minha vida e aquela japonesaiada toda ainda bateu palma no final, inacreditável.

Saí de lá correndo (de novo). Quase na porta da ópera lembrei de uma bolsa nova que tinha comprado no caminho e que já tinha perdido (ela é linda e foi uma barganha*: 10 euros). Voltei, peguei a bolsa, comprei um negocinho para a Carla na lojinha e fui de novo para ópera (já tinha decorado os caminhos).

Encontrei o esquisito/mala, que me disse que não permitiram que ele trouxesse o meu ticket. Eu falei que não tinha o menor problema e que iria lá buscar. Ele então pegou o celular e disse que ia ligar pra eles para confirmar não sei o que; estranho. Eu falei "não, não! Não precisa se preocupar, vou passar por lá agora de qualquer maneira! Não tem problema mesmo! Valeu, tchau, até nunca mais". De repente, uma multidão de turistas invadiu o lugar (estávamos em frente à entrada principal da casa de ópera). Eu, tentando me livrar daquela confusão repentina, sinti uma mão tocando o meu ombro, do nada.

-Sorry (Meu Deus, outro cara com capa de morcego! Macacos me mordam!)

-I din't have a chance to talk to you before (claro que não, né?), my name is xxxxx, by the way.

Eu tive que dar a mão ao batman desconhecido. Ele não era de todo o mal: alto, cara de gente fina, beirando os 40, eu diria.

-When are you leaving?

E eu, mais do que depressa: "Tomorrow morning, unfortunately" (meu deus, o que está acontecendo aqui???)

-Are you going out tonight? (o quê???????? Que absurdo, ele nunca me viu na vida!!!! Que liberdade é essa? Como assim? E eu não tenho tempo pra inventar nada melhor que...)

-No, I need to get some sleep. (nossa, foi péssima essa. Mas por que eu to me preocupando???)

-No, no. You need to know Viena at night. (quem é ele para me dizer o que eu preciso ou não fazer??) I know great bars and parties and, you know, there are just few of them open on a monday night. (ha-ha-ha. CHEGÔ)

-Oh, That's very nice of you, but I need to get a train really early in the morning. So, maybe next time? (ufa, só falta falar tchau)

-Look, if you want to, I can just pick you up here when the opera is over. (puta que pariu, tenha a santa paciência).

-No, thank you.

-Ok, but if you change your mind, I'll still be here.

-Alright! bye!!

Eu saí em qualquer direção rindo tanto, alto, por uns cinco minutos! Comecei a pensar que vou dar a dica para minhas amigas solteiras: fique 20 dias com o mesmo casaco, a mesma calça e o mesmo gorrinho sujo, com a pele toda detonada e uma super bota para neve (aquela que a silvia me deu de Natal - agora to repetindo isso só porque a isa disse que era engraçado!) que mais se parece patas de urso, que de repente um quarentão alto de olho azul pode querer sair com você (mas vou omitir a parte da capa de morcego e do trampo de cambista, tá?).

Finalmente, no ticket office, sem mais obstáculos masculinos pelo caminho, o vendedor me disse que a visão era quase nula para o lugar que o bilhete de 30 euros me daria direito.

"That's fine."

Saí dali e comecei a passear pela movimentadinha Weihburg, no centro. Parei para o esquema cafezinho espresso de 1,50 acompanhado de super misto frio que costumo fazer no café da manhã dos albergues e levar na bolsa.

De lá visitei a Stephansdom (St, Stephen's Cathedral), lindíssima obra de arte gótica do século 13. Sério, pirei quando eu entrei lá. Rezei, dei uma voltinha e saí (turismo rápido é assim). Eu sabia que a casa do Mozart ficava em algum lugar perto dali e, depois da ajuda de três vienenses diferentes, encontrei o apartamento em que um dos compositores mais famosos do mundo morou entre de 1784 a 1787. O filme "Amadeus" começou a passar inteiro pela minha mente e a minha imaginação foi longe, mesmo antes de entrar. O Mozarthaus Vienna é também um museu, que ocupa outros três andares do predinho. Não tem nada de mais, sabe? Mas eu gostei muito, foi uma boa preparação para assistir à ópera dele, às 19h.

Até lá, fiquei entrando em qualquer igreja que via pela frente (a St. Peter também é muito bonita e tava rolando outra missa quando eu entrei, que chato!) e saí andando sem rumo. O dia estava chegando ao fim e o sol, se pondo. Cat Power combinou muito com o clima da cidade. Passei em frente ao Hofburg, impressionante palácio de inverno dos Habsburgo, e fui andando pela Dr. Karla Renner para ver o Palácio de Justiça, o Parlamento, o Rathaus (onde fica a Prefeitura e, de longe, a construção mais bonita da rua - foi esse prédio alias que, de longe, me atraiu para aquela região), e finalmente a universidade.

Já era noite e achei que perderia a hora se não pegasse o bonde (tram), então comprei o meu primeiro Mc Donald's de toda a viagem, engoli o Mc Salad sem salada e fui embora.

No trem, um casal de velhinhos sentou do meu lado e ficou me olhando, fazendo comentários entre si. Eu olhei pra eles, com aquela cara de curiosidade, eles me olharam e comentaram de novo, eu ri (tava mesmo engraçado) e a senhora falou: "kjhaskkjhKDGakjshAK". Antes de eu conseguir terminar o meu já batido "sorry, I don't..." (ela não escutava bem anyway), o velhinho virou e cochichou no meu ouvido. De novo: "kjhgasgskjgdkjsad". Muitíssimo curiosa para saber do que se tratava tanto mistério... Chegou o meu ponto, tive que descer. Mais uma vez saí correndo.

***

Nossa, quanta pompa! Quando cheguei no State Opera me deu até vergonha de mostrar o meu bilhete pros ulshers!!! Todo mundo ali tinha casacos de pele e uma média de 60 anos de idade! E eu, claro, como o mesmo casaco e boininha azuis de sempre! Até pensei em comprar um cachecol novo para a ocasião, sabe? Pelo menos ia dar pra ver alguma diferença nas fotos, mas desencanei.

Passei reto pelo bar me lembrando muito dos meus tempos de barwoman do National Concert Hall de Dublin. Fui mostrando o meu ticket para cada funcionário até chegar na minha cabine, a número 1, no terceiro andar.

O lugar é gigantesco, todas as cabines tem paredes vermelhas de veludo fino e detalhes dourados. Dois minutos antes de começar, só ficava olhando para o público naquele lugar, a casa cheia, o máximo. E eu, bem brasileira, estava numa cadeira que não era a minha, que tinha a vista perfeita! (a cabine 1 fica bem em cima da orquestra). Daí um menino chato chegou e me pediu para que eu me retirasse porque o lugar era dele. Tentei, né?

Atrás dele a visão ficou bem prejudicada, mas ainda dava para ver. Um casal de espanhóis fofos que conseguiram comprar lugares ainda piores que o meu resolveram se levantar. Então fiz o mesmo porque eu já tinha pescado duas vezes (estava muito cansada). A ópera tem quatro atos separados por um intervalo (total de três horas), durante o qual eu peguei no sono. Mas o cochilo me fez acordar para a segunda parte, que é muito melhor que a primeira. Quando eu cansava de ficar em pé, sentava e ouvia a música (tem telinhas com legendas em alemão e inglês para todos!), que de tão bonita, já bastava. Mas a atuação dos caras estava muito boa e a ópera, que chegou a ser proibida quando foi criada por satirizar a alta sociedade do século 18, engraçada. Talvez essa ópera-bufa seja uma boa opção pra quem não está muito acostumado com óperas, como eu. Primeiro por ser uma comédia e segundo por tratar de hipocrisia e traição, temas bem atuais, certo?

Na saída, tentei pegar o metrô para ir para o albergue, mas fiquei com a sensação de que estava mais perdida no metrô do que fora, então encarei uma caminhada de uma hora. Tempo suficiente para pensar numa conclusão pessoal para a ópera do Mozart: não, melhor não falar aqui.

DER LUSTIGSTE TAG = o dia mais engraçado.

((Foto 1: Musikverein fechado para baile))

((Foto 3: Não dá pra fotografar a St. Stephen Church de nenhum ângulo!))

((Foto 2: A rua do Mozart))

((Foto 4: Portão para o palácio de inverno dos Habsburgo - minha máquina me impressionou nessa daí!!))

((Foto 5: Eu, sem o meu casaco de pele, na Vienna State Opera))

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Templo Salgado





Como vocês devem ter percebido (claro, né? Porque ninguém tem mais nada para fazer da vida!), ontem eu não escrevi aqui. O dia foi uma correria danada, era o meu último na Cracóvia, cidade que me surpreendeu muitíssimo, e eu ainda fui dar uma voltinha em Wieliczka, a 15 quilômetros do centro, para conhecer a Mina de Sal.

Não sei se foi porque eu não esperava absolutamente nada do passeio (as polonesas que trabalham no albergue onde eu fiquei hospedada, "Goodbye, Lenin", me disseram que era "normal". "Ah... Tudo é feito de sal", foi o único argumento que elas conseguiram me dar para eu ficar um dia a mais na Polônia e visitar o lugar. Acho que elas são das que pulam e se encaixam nos meninos na balada. Sério. Indício: quando eu estava sozinha, elas mal olhavam para mim. Se tinha algum menino por perto, era uma gritaria insuportável.

Diferenças culturais aside: acho que foi menos por minha baixa expectativa e mais pelo absurdo que é aquela mina - tem 300 quilômetros de comprimento e chega a 327 metros debaixo da terra.

Desde a segunda metade do século 13 até 1996, a mina produziu sal comercialmente e desenvolveu o talento de vários trabalhadores braçais que, depois do expediente, em vez de deixar o mundo subterrâneo correndo, ficavam esculpindo as pedras de sal - apesar das ridículas condições de trabalho a que a maioria muitas vezes nem sobrevivia (mas quem trabalhava lá ganhava uma grana, já que o sal era uma especiaria valiosíssima no passado).

Apesar de ser muito interessante de verdade, confesso que o passeio me deu um pouco de sono. E isso porque só 1,3 km da mina faz parte do roteiro turístico - o resto está fechado para o público. Mas é que chega uma hora que tudo parece meio que igual. Para me manter acordada, decidi seguir o conselho da guia (que tentava ser engraçada em todos os comentários, como esse: "if you don't believe me, you can leek the walls"), então... Provei as paredes. Também comecei a passar sal na cara inteira, parece que faz bem pra pele (pelo menos o ar puro dali "diz que" faz. Então tá, né? Ah! Aliás, a minha pele já melhorou muito desde comecei a usar aquele creme para peles extremamente ressecadas da La Roche-Posay, ótimo para temperaturas negativas e ventanias cortantes (nossa, virou roteiro do Show de Truman).

Última coisa sobre a mina: uma mulher chamada Kinga (em português o nome é bizarro: Cunegunda), que foi parte da coroa húngara no século 13 e se casou com o príncipe da Polônia (Rei Boleslaw V), foi aclamada pelo povo de Wieliczka, na época, como responsável pelo surgimento da mina. Não me lembro bem do que a guia contou (na internet não achei a versão dela para a lenda), mas era algo como um presente de casamento que ela pediu e, quando ganhou a mina, achou lá dentro o anel de compromisso que havia perdido. Bom, vai saber. Parece também que ela nunca chegou a "consumir" o casamento e depois virou freira. Em 1999 foi canonizada pelo papa João Paulo II.

Pode parecer, mas não foi protecionismo polonês - para se ter uma noção da importância que a Kinga tem naquele lugar, o ponto alto (altíssimo) da visita é uma igreja enorme, também subterrânea, construída em sua homenagem. Sério, o passeio vale mais a pena por causa desse templo salgado que, feito com 20 mil toneladas de pedras de sal, tem até uma réplica da Santa Ceia na parede. Os lustres com cristais (de sal!) são belíssimos e dão um contraste chique à igreja de pedra, além de uns arrepios de emoção (sério!)

O conjunto de esculturas mais nada a ver de todos os tempos também me ajudou a não cair no sono. Chega a ser engraçada a reunião, em versões de pedra de sal, do papa João Paulo II, que na infância visitou a mina com o colégio, do Copérnico, o astronômo polonês dono da teoria do heliocentrismo (sol no centro do sistema solar), da Kinga, claro, e até dos anões da Branca de Neve...

Voltei de lá bem mais tarde que o previsto e a cidade já estava escura, mas ainda deu tempo de dar uma voltinha pelo bairro judeu, que é a região mais legal da Cracóvia, depois de Rynek Glówny (Main Market Square). Com um monte de restaurantes e barzinhos descoladinhos, longe daquela molecada do centro - e olha que quase não tem turista no inverno! Lá também deu para encontrar comidinhas típicas polonesas. Se bem que na hora de pedir, desisti da sopa com salsicha (típica) e escolhi o crepe russo, com queijo e batata (1/2 típico e uma delícia!)

Bom, me enrolei nesse post e vou ter que escrever outro só para o dia de hoje. Cheguei em Viena às 7h da manhã e hoje foi, de longe, o dia mais engraçado da viagem inteira!

Viena á um absurda. Já conto.

((Foto 1: St. Mary Church no meu último dia de viagem, antes de ir pra Mina de Sal. Quando eu visitei essa igreja um anúncio dizia: "only prayers" (ou seja: turistas que não rezam pagam) e eu, com a minha melhor cara de peregrina entrei, fiz sinal da cruz e até me refresquei com água benta. Cheguei a ajoehar e rezar, principalmente agradecer por ainda estar viva depois de tantas irresponsabilidades nessa viagem! Naquela hora só tinha umas outras dez pessoas rezando na igreja quando, de repente, começou uma missa. Claro que eu não podia sair correndo na cara do padre e acabei assistindo a uns 15 minutos de missa em polonês - não é tão diferente do que eu me lembro de entender da missa quando eu era criança e estudava em colégio católico - e o padre falava em português.))

((Foto 2: Parece um flagra, principalmente pelo estilo da foto, mas pais puxando os filhos em trenós na neve é a coisa mais comum no inverno daqui. Imagina que aventura para essas crianças! Lembro muito vagamente do meu irmão me puxando num caminhãozinho e já achava o máximo!! Se bem que o trenó já deve estar banalizado entre os europeuzinhos, eles devem achar até meio boring...))

((Foto 3: Já na Mina de Sal. Antes de entrar tem que ficar tonto descendo milhões de degraus. Não sei o que é pior, isso ou o elevador que sobre igual uma lata de sardinha, todo mundo grudado em todo mundo, na volta))

((Foto 4: As fotos dentro da mina estão um horror. Esse aí é o Copérnico. Lá no templo da Kinga a luz tava boa, mas acredita que tinha que pagar quase três euros por FOTO TIRADA????? Fiquei passada com isso! Porque não estão vendendo uma foto para você, estão vendendo uma permissão. Mas se depois de pagar pode, qual é a diferença??? Eu ia até fazer uma roubatinha-foto (com a minha própria câmera, que ridículo), mas achei tão absurdo que desisti))

sábado, 16 de janeiro de 2010

WHO NEEDS MEN?



Eu deveria estar conhecendo o mundo lá fora, mas em vez disso estou aqui no albergue com um casal de meninos super preconceituosos. Sabe aqueles gays que não se misturam com mulheres? Eu percebi isso assim que desci para a recepção e vi um deles comprando a segunda garrafa de still water - enquanto eu já estava na minha segunda xícrinha de água da torneira. Lancei a polêmica da água potável, professei uma pequena teoria sobre as torneiras europeias e dei muita risada com o recepcionista, enquanto o garoto nem olhou pro lado.

O amigo/namorado dele chegou cinco minutos depois, já reclamando com o recepcionista sobre algo que eu não entendi direito. Sabia que ele queria se mudar para o meu quarto (de onde eu e um grego fedido fizemos o check-out hoje), mas não entendi o por quê. Então decidi prestar atenção. Diálogo entre os dois:

-I can't believe it, man!, ele disse, no seu melhor jeitinho cult/idiota, contrariado.
-Is it that bad?
-There are girls, it's enough.

Dá pra acreditar???

O pedido dele foi negado e o clima pesou um pouco aqui na recepção.

Bom, não vou me estender muito neste post, apesar de ter história boa suficiente para escrever um essay.

Vou misturar as histórias de anteontem e ontem à noite.

Anteontem, 14/01, quinta-feira.
Os primos Rodrigo e Tiago, que eu conheci em Praga (e por quem desenvolvi um grande apreço), decidiram ir pra balada hoje à noite (como sempre fazem). Eu cheguei na Cracóvia na quinta de manhã, mas só fui encontrar com eles umas 19h, sem querer, na porta do albergue. Eu voltava de um passeio (naquele em que comentei ter comido uma pasta gostosa acompanhada de um lambrusco tinto - ah, também comprei um sabonete da L'Occitane. Minha pele estava horrível e decidi que seria um dinheiro bem gasto: 30 slots). Eles estavam de saída para comprar a Wyborowa, meio-culpada pelo que aconteceu mais tarde (a outra metade da "culpa" é minha mesmo).

Bom, acho que serei obrigada a apresentar aqui o Fernando, que também estava hospedado no albergue. Natural de Porto Alegre, estudante de medicina, tem jeito de malandro e algumas meninas podem até considerá-lo bonito - principalmente as polonesas, que piraram em todos eles -, mas eu não acho. Depois do esquenta, em que misturei a vodka com quentão, acho que meu conceito de beleza mudou um pouco.

Aconteceu que fomos os quatro para a balada mais famosa da cidade (vou pegar o nome com eles depois para publicar aqui, vai que você fica com vontade de ir pra Cracóvia, né?). Eu era a mais desanimada da turma - sempre tive uma preguiça infinita desse tipo de balada, onde gente que nunca se viu na vida dança músicas que nunca ouviu na vida fingindo que está confortável com aquela situação constragedora, até gastar metade do dinheiro que tem para fazer tudo isso De novo, agora sob o efeito de álcool - pra não ter que se lembrar daquela merda toda no dia seguinte.

Na porta da balada, eis que o segurança, o típico babaca que me faz sair do sério (e quem me conhece sabe bem que pouquíssimas coisas me fazem sair do sério) disse que a calça do Fernando era "inapropriada". Eu já lancei: "Então tá, vamos???" Mas os meninos ficaram insistindo com o cara, que muito deseducadamente os ignorou. Então eu não me aguentei e disse: "What would be, in your opinion, a proper trouser?" Ele apontou para o jeans de segunda que ele próprio vestia. E eu: "hoho. This?" Ele: "Yeah. Don't you think?". Naquele ponto, já tinha entendido a brincadeira de quem-consegue-ser-mais-sarcástico-em-um-diálogo-curto: "I think our concepts are way too diferent".

Silêncio. Minha mãe costuma falar até hoje que eu sempre quero ter a última palavra em qualquer discussão. Durante toda a minha vida, neguei a acusação veementemente.

Ontem, tive que assumir: teria argumentos suficientes para responder até o final se ele continuasse. O ambiente ficou tenso mas, mesmo assim, os meninos resolveram ficar. Eu e o Fernando, então, saímos em direção a outra balada - eu não queria ir, mas também sabia que o Fernando queria sair e não queria estragar a noite dele (porque eu sou idiota, né?). Fomos para uma outra balada, Diva (sempre tem uma balada que se chama Diva em qualquer parte do mundo, é impressionante!). Preciso dizer que foi uma experiência cultural bacana. Parecia que entrávamos em um set de um filme underground selvagem, com polonesas dançando incrivelmente empolgadas, até demais na minha opinião. Aqui, elas abordam os meninos (aqueles que elas nunca viram na vida), pulam em cima deles com as duas pernas entrelaçadas nas deles, tipo montadas mesmo, sabe? Não dá para acreditar. Juro que levei um tempo para me recuperar do choque.

Fomos beber uma cerveja local no bar da balada. A pint é enorme e até que tava gostosa. Wyborowa + cerveja polonesa + quentão = suficiente para nos fazer levantar e nos juntar àquela polonesada toda. Um estranho fantasiado de padre veio falar comigo, apesar do Fernando ali do meu lado. Eu levei um puta susto. Do nada, o cara começou a gritar na minha orelha o que, na hora, me pareceu algo do tipo: "Não é assim que se dança aqui!!!!! Você tem que pular nos meninos igual a elas e bater o cabelo com mais força! MAAAAAAAAAAAIS!!!!!". Mas na hora eu desconfiei que poderia não ser isso o que ele tentou me dizer. "Sorry, I can't understand you, I'm afraid". Muito rapidamente, ele traduziu: "No problem, baby. I said: do you wanna get rid of your sins tonight?". Claro que eu não tive outra alternativa a não ser cair na gargalhada. Sério. Entretenimento dos bons.

Depois disso, o Fernando (que dançava comigo de um jeito normal até aí) perdeu a noção completamente e me beijou. Não vou me estender muito sobre a polêmica do comportamento dos homens brasileiros para com as mulheres. O beijo não foi nada ruim, mas preciso dizer que fiquei muito, muitíssimo irritada, mas me esforcei para não transparecer. Então, falei: "Vamos sair daqui?" E ele respondeu um pronto "vamos!", do tipo: "claro, para que perder tempo na balada se você tem um quarto só para você no albergue???" Eu desisti de responder qualquer coisa.

No albergue, ele entrou no meu quarto e não queria mais sair. Fui grossa, repeti mil vezes que queria dormir sozinha e ele mandou um "te acalma, só quero deitar contigo!", naquele sotaque que eu comecei a abominar. Ele deitou. Eu sentei. Será possível uma coisa dessas? "Olha, não quero ser chata, mas gostaria bastante que você saísse agora". Ele começou a me perguntar "por quê? Mas não tá bom?" Minha última alternativa foi falar que tenho namorado (dá para acreditar que precisei fazer isso? Não minto assim para fugir de alguém desde a adolescência). Sabe o que ele respondeu?

-Então o que tá fazendo aqui comigo? (ainda aquele sotaque)

-O QUÊ???

Nossa, virei uma onça. Fiquei mais brava do que tinha ficado com o polonês das calças baratas na balada. E comecei a gritar muito, foi hilário!

-EU COM VOCÊ? FAZ UMA HORA QUE TO TENTANDO ME LIVRAR DE VOCÊ E VOCÊ NÃO VAI EMBORA!!!!

-A reação dele foi engraçada, foi se encolhendo todo e finalmenete disse um "tá", baixinho. "O cara que vai vir amanhã é o teu namorado?", ele insistiu em continuar.

O cara que viria "ämanhã" é o Rulian, assim com "R" mesmo. Eu comentei neste blog sobre ele, o brasileiro que demorei pra pareceber que era brasileiro e que, fofo, me ajudou quando eu estava perdida às 7h da manhã na estação de trem da Cracóvia. Até me levou ao meu albergue e esperou que eu fizesse o check-in!

-Claro que não.

Ele foi embora, deixou a chave do quarto comigo. Algumas horas depois, acordei e, por uns cinco segundos, não conseguia lembrar por que eu dormia de calça jeans e um monte de jaquetas e ainda tinha as lentes nos olhos. Mexi minha mão esquerda que, fechada, ainda segurava a chave firmemente. Lembrei de tudo e fiquei muito irritada, muito mesmo.

Já sei que a maneira com a qual os homens brasileiros (a maioria) tratam as mulheres numa abordagem simples pode ser polêmica. Me lembro de comentar com o Fernando, meu irmão, sobre o Antoine, poucos dias depois de ficar com ele, lá no Brasil, dois anos atrás. Estávamos comendo os dois sentados na mesa da sala e eu, que contava apaixonada como acabara de conhecer o francês, lhe disse que os europeus eram muitíssimo mais gentis que os brasileiros (isso porque eu nunca tinha sequer viajado pra Europa). O Fernando ficou puto, muito mesmo, e defendeu a classe masculina brasileira. Ele tinha razão. O Antoine era só mais um charlatão e, afinal, a classe de filhos da puta é internacional, não é mesmo? Com os anos, percebi que o Fernando tinha mesmo razão. Mas agora, depois de tanto tempo sem ficar com um brasileiro, vejo que não é bem assim.

O Alastair foi para o Brasil e voltou dizendo que o jeito com que os brasileiros conversam com as mulheres é "crazy". "Eu tento imaginar tratar uma menina desse jeito aqui... Chegar falando que ela é a mais linda e tentar beijá-la!" E a gente riu um monte juntos. "Credo, é um horror mesmo", foi a minha resposta. Pena que não dá pra traduzir a expressão "uó" para o inglês.

Tá aí, mais um motivo, além da reforma ortográfica, para eu não voltar ao Brasil no dia 8 de fevereiro.

Ontem, 15/01, sexta-feira.
O dia foi pesado em Auschwitz e meus olhos ainda estavam até um pouco inchados pelas lágrimas que eu tentei segurar em vão.

((vou escrever um post só sobre Aushwitz e a dor dos outros no meu caminho para Viena, hoje à noite.))

Na volta, acompanhei os meninos, Rodrigo, Tiago e Rulian, que acabaou virando amigo deles, para a estação de trem, na tentativa de comprar o meu bilhete (vou pegar o mesmo trem que eles, só que hoje à noite, e encontrá-los no albergue Wonbats, ou algo assim, preciso fazer a reserva.

Voltei, sabia que o Fernando estaria por aqui e já tinha todo um discurso de fuga preparado na minha cabeça. Mas para entrar no albergue, eu precisava digitar uma senha de quatro digitos que me escaparam da memória. Fiquei tentando várias combinações diferentes entre 3, 1, 9 e 7, fiz um N fatorial mental, mas não rolou.

De repente, comecei a prestar atenção na música que tocava nos fundos. Fui atraída por ela, abri uma portinha camuflada pelo grafite da perede. Abri, entrei. O bar, bem alternativozinho, é exatamente o tipo de lugar em que consigo me sentir muito bem. E tava rolando uma noite Karaoke!! Cheguei, sentei em um banquinho e fiquei cantando junto com os poloneses! Um deles me chamou para sentar com eles. Fui pegar uma cerveja antes. Eu não sabia, mas aquela era a mesa dos amigos do Dj! Eles me trataram muito bem e instantaneamente eu virei melhor amiga de uma menina muito gente boa que estava com eles. O Dj era fã de Sepultura e me perguntou se essa palavra tinha algum significado em português. Eu expliquei que é o lugar onde enterram os mortos, tá certo, né??? haha

Quando falei que era brasileira, foi uma festa. Me perguntaram até se no Brasil tínhamos rei!!!! Diversão garantida!

Decidi dedicar a minha noite, que estava sendo MUITO LEGAL, à Carla, e às várias noites MUITO LEGAIS que ela já me proporcionou em Dublin! Adivinha o que cantei, Carla???

We can work it out!! Pois é.

Depois de beber mais e fumar cigarros do Dj, decidi cantar mais uma: With or without you. Engraçado o jeito que o Dj me apresentava pra galera: "jhkjhsadkjhskjdhjdkhddhajbrazilianjcjkgakjsc". Só entendia a minha nacionalidade em algum lugar no meio da frase, daí me tocava que era a minha vez! Assim que a música começou, uma galera entrou no bar e todo mundo começou a cantar comigo! Foi tão legal!

Já passava da 1h e a noite, programada para ser tranquila, foi mais uma vez muito louca. E, para terminar com chave de ouro, um polonês decidiu dedicar a próxima música à Silvia e ao Max! Já sabem qual, né?

Lambada!

Choooooorando se foi... Aí não aguentei, né? Larguei as minhas coisas e fiquei dançando lá no meio, ao som do sotaque puxado do polonês cantando em português, com a galera que levantou para dançar junto!!

Viu só?
Quem precisa de homens???

((FOTO 1: Parede do corredor do albregue que eu, sem lembrar da senha, não conseguia alcançar. (depois a barwoman veio comigo até a porta e apertou um só botão. A porta abriu na mesma hora, que verognha!))

((Foto 2: Corredor do albergue com a portinha do bar REAKTYWACJA, o melhor da Cracóvia!!!!))

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

To Mr. Yellow!





((Muitas, muitíssimas, inimagináveis coisas aconteceram comigo entre ontem e hoje. Mas depois que cheguei de outra das mais loucas noites da minha vida, o assunto não será eu. Será o meu moleskine.))

Como uma boa novata em blogs e afins, desde que criei o Beleléu parece que virei duas: a Ju que vive e a Ju que pensa em como colocar a vida no papel. E o fato de a segunda Ju às vezes me parecer mais interessante que a primeira me assusta um pouco às vezes. Antes de dormir ando tendo ideias que, se considero boas, me dão uma sensação de adrenalina de me tirar o sono e me dão vontade de escrever imediatamente. Depois me lembro das outras 10 pessoas que talvez estejam dividindo o quarto comigo em um albergue de algum país da Europa central e desisto.

Talvez o medo de me interessar mais pela Ju virtual venha da liberdade, também virtual, que tenho para ser quem eu bem entender no papel (na internet?) - afinal, eu invento minhas próprias palavras, não é? Mas depois me lembro que as palavras, as frases e os (vários) parágrafos que escrevo sobre mim mesma não chegam aos pés da realidade. Um dia quem sabe, quando eu tiver o total domínio das palavras, isso possa se converter. Por enquanto elas me dominam, escapam da minha mente de forma desordenada - talvez por isso eu tenha que escrever tanto. Tempo.

Descrita minha empolgação com o meu projeto novo, nem preciso comentar o meu estado de excitação quando vejo comentários em meus posts. Unzinho que seja é o suficiente para me fazer crer que tem alguém lendo isso aqui e já me deixa ansiosa para descobrir qual vai ser a próxima loucura a ser publicada.

Mas o que rolou na noite de ontem/madrugada de hoje e na tarde/noite de hoje teve que dar lugar a uma resposta (sem pergunta).

Alguém muito petulante, auto-proclamado Mr. White, invadiu o Beléleu ontem. Não tenho nem ideia de como me encontrou ou como entendeu meu português distinto. Pelo jeito irônico de escrever, até chutei que poderia ser a Fê Beck disfarçada de Mr. White, mas em seguida lembrei que a hipótese seria muito pouco provável: ela estava comigo com eu comprei meu moleskine, em Londres.

O tal Mr. White me escreveu o seguinte:

Mr. White disse...

1. HOW did you ever think of NOT telling that story? It’s a very good one, HELLO? Fat female police officers are funny!

2. Oh, my god, I can’t believe you jumped on the Moleskine bandwagon. But on a second thought, that makes sense. Journalists love jumping on bandwagons. Here, two funny posts for you, my love:
http://stuffwhitepeoplelike.com/2008/01/23/19-travelling/
http://stuffwhitepeoplelike.com/2009/02/24/122-moleskine-notebooks/

((gente, espera, como ele sabe que eu sou jornalista????)

3. I have a bottle of Wyborowa here with me, but I’m not a big vodka fan. I’ve got it as a gift. I may share it with you someday!

Vocês devem imaginar a minha situação nessa viagem: sozinha, tendo que pensar em tudo sem ajuda de ninguém (apesar de não pensar muito na maioria das vezes), dependendo de sinais fracos de internet. Então, depois de ler isso, pensei em responder grosseiramente e imediatamente, sem sequer abrir o links enviados. Mas quando eu vi o nome do site, me interessei. Na correria do café da manhã do albergue "Adeus, Lenin", no número 34 da Rua Grodzka, prestes a ir a Auschwitz, eu ignorei os outros hóspedes e li, li um monte, li de novo, ri, pensei em responder, pensei em não responder... Confesso que o fato de eu não ter noção sobre quem era o Mr. White (e a ironia do comentário dele, acabando comigo e meu querido moleskine), me despertaram um sentimento interessante.

Na internet, descubro que o Mr. White tem uma identidade muito mais bem definida (pela wikipedia, inclusive) do que eu pensei (aquela coisa mistério/suspense/menino-de-cabelo-sujo-e-gravatinha-borboleta que rondava o meu imaginário foi meio que por água abaixo...).

Aí vai a ficha completa:

Nome: Christian Lander (ele se esconde por trás de "Mr. White" e não é amarelo, como eu pensei, é mais branquelo do que muito irlandês!)

Nacionalidade: Canadense

Idade: 30

Profissão: Estudou inglês e história, fez um master em filme e um P.h.D. em filme e literatura, título que o faz "soar mais culto do que ele é na real", nas palavras dele. Parece que ele queria ser roteirista de sitcoms engraçados, mas acabou virando copywriter em uma agência x, o que, peloamor, deve ter deixado de lado depois que o blog virou sensação, com atualizadíssimas 63,224,650 visitas até agora (desde janeiro de 2008)
e hoje é escritor profissional (ver próximo campo).

Livros (tá, só tem esse campo porque ele tem um livro! haha): "Stuff White People Like" que, Mr. Yellow, eu acredito sinceramente ser uma possível base para uma ótima comédia. Não falei que tudo dava certo no final??

Pretensões para o futuro (ué, se ele quer tomar uma vodka comigo, tem que deixar claro as intenções, não é para isso que um date serve, Pablo???): não desistiu da ideia do roteiro engraçado. Eu já disse: apesar de não ter lido o livro, aposto que ele tem material suficiente para uma das mais engraçadas séries que a TV já viu, vide a minha reação sobre o post do moleskine.

Agora, com meus leitores pacientes já atualizados, responde-lo-ei:

Dear Mr. Yellow,

Who the hell you think you are to join a pacific open comunity, officially called "No Beleléu" (At the Beleléu!), and talk mean things about me and my brand new notebook?

Sorry, I had to begin in this rude tone, just to pretend I am respectful, which I kind of am, actually!

And I have to say that I totally agree with you about the moleskine stuff, though I still think you and you "cult" glasses may never wander around without one of those as well - which I believe, as you are a cool well-known person (somewhere) and I'm not, you have for longer than I do. That's why I want to make clear the way things turned like this:

The very first time I've ever heard about what wikipedia calls a "prominent creative tool for avant-garde artists from the 19th and 20th century, such as Oscar Wilde, Vincent Van Gogh, Pablo Picasso, Ernest Hemingway and Henri Matisse", was in a pub called Sin E (meaning That's it in gaelic), in Dublin. The guy I was in love with was going away for six months and he was showing me what he had bought for his trip so far. The notebook, that I found pretty shit, appeared to be very important to him. And as he realized I had never seem or heard about a Moleskine before, he went: "Don't you know? Blá blá blá... (same wikipedia content). I said: aha, ok. We skip the subject. The following day, walking ramdomly around a Book Shop, I saw it. "God, that's it", was my silent reaction. I also remember I found it very expensive. "Maybe he thinks he'll turn to be one of them, who knows..."

Other six months passed, he is back to Dublin with no skills upgrades of any kind, I'm sure, but with a very nice writing - in a blog rather than in his moleskine, though.

He went on living his life back in Ireland and I did the same (not really back anywhere yet, but I'm trying to, really).

In London, where I spent New Year's, I realized I had NOWHERE to write ordinary information (hostels addresses, flights times, etc) and I entered this shop. I was already holding a one pound notebook when I saw the Moleskine 40th Anniversary Edition (celebrating Woodstock), red cover and a small white bird on the top of a guitar. Instead of the 20 irish euro, it was on sale for only 9,99 pounds. I just couldn't resist. Not for the moleskine, but for its bird. Now I love my red notebook with its white bird and I have to admitt I'm also a white (whiter than ever in this terrible winter, actually) person who likes to write uninteresting things and to draw silly stuff in a moleskine.

I bet that's the way Picasso once started.

Keep the Wyborowa carefully.

Sem mais.

((Foto 1: Breaking News: Identidade de Mr. White desvendada))

((Foto 2: O roteiro está pronto, Mr. Yellow!))

((Foto 3: Escrevo o que bem entender, me deixa em paz))

((Foto 4: Moleskine 40th Anniversary Edition. £9,99. Eu acho worth it))

"THIS, NOT!!!!!!!" (sem foto)

Por dois minutos não perco o trem. E, por um vagão, quase que me perco pelo interior da Polônia para sempre.

Desde que eu viajei pela primeira vez de trem na Europa, de Berlim para Praga, no domingo, fiquei com medo de ser mulher/sozinha.

Porque sempre tem isso, né? Eu me lembro de quando ia ver os jogos do São Paulo com o meu pai e o meu irmão... Qualquer roupa que eu colocava eles reclamavam: curto demais, apertado demais, desagasalhado demais. Eu achava, claro, exagero demais, ou preconceito demais. Um dia, num São Paulo X Corinthians, no Pacaembu, há pelo menos uma década, meu pai não me deixou ir com eles. Eu achei absurdo, fiz barulho, disse que ia me trocar rápido. "Tá bom" foi a resposta. Quando voltei para sala com a minha camisa da IBF... Eles já tinham saído. Desesperada, entrei na cozinha, onde minha mãe preparava um bolo. "Cadê eles??" E ela, na maior calma: "já foram". Não falei nada. Saí correndo, já chorando, para qualquer lado da Consolação. Tinha um pouco mais de dez anos e nem sabia onde ficava o estádio direito. Voltei com uma mistura de raiva e sensação de injustiça - só porque era mulher, só por isso.

Claro que essa não foi a única coisa desse tipo que me aconteceu na infância e que me fez tentar levar uma vida mais parecida possível à de um homem (como dirigir cedo, ficar bêbada sem vergonha e, o principal, andar sozinha sem medo).

Até pegar o meu primeiro trem na Europa.

Teve um detalhe da minha viagem Praga-Berlim que eu tinha decidido não contar, porque no fim das contas, quando a viagem acabou, achei que não tinha muita importância. Mas aí prometi pro Fê Ianni que ia publicar essa história aqui!

Quando eu entrei no trem, a primeira impressão foi boa. Cada cabine com seis bancos e encostos inteiriços que permitem tranquilamente uma boa noite de sono.

Por pouco o trem não estava deserto, o que eu achei ótimo, já que queria ficar sozinha.

***

Dominei a cabine: Deixei coisas molhadas secando, liguei o computador e, com tanta adrenalina, nem pensei em dormir. Fiquei escrevendo.

De repente, um dos funcionários do trem me aborda no meio do corredor (eu tinha saído para ir ao banheiro): "Daqui para frente, não saia mais, os assaltantes vão chrgar". Desde que cheguei na Europa Central tive a sensação de que o pessoal é direto demais. Falando o inglês deles, então, mais ainda. Por isso, na hora pensei: "Afe, que exagero! To na Europa!!!". Cinco minutos depois, o mesmo funcionário: "Acho melhor você mudar de cabine, chegou esse menino aqui, ele também é jovem... E amanhã vocês podem tomar uma cerveja juntos!"

Tudo muito estranho. Bom, o cara era funcionário do trem, né? Então acatei a ordem dele e sentei com o checo. Cara de malandro, 21 anos, a primeira coisa que ele me perguntou foi: "Você tem ticket?". Eu disse que sim, por quê. "Because I'm a black passenger". Eu vi que ele estava muito tenso desde o início. Então eu falei: "relaxa, se perguntarem alguma coisa eu digo que você está comigo!" Na hora me arrependi: "por que fui falar isso??"

No fim das contas, ele escreveu no meu moleskine a tradução de obrigado, de nada, puxe, empure (cansei de errar isso em Berlim), por favor e desculpa. E também aproveitou para aprender português! Com mais confiança, ele me contou que o mesmo funcionário que me abordou as duas vezes disse para ele que ele não precisava comprar o ticket, se não quisesse. Cobrou 20 de propina, que ele se recusou a pagar. E por isso estava com tanto medo. Tudo me pareceu tão estranho... Mas eu tava com a cabeça em outro lugar e tudo o que eu falava para ele era: "relax!! Everything is gonna be fine!"

E ficou tudo bem.

Ontem à noite, quando eu embarquei no trem Praga/Cracóvia, já entrei com um pé atrás. Estava de novo sozinha em uma cabine e, dessa vez, queria dormir. Amarrei uma alça da minha bolsa num pé e a alça da mochila em outro, para dormir tranquila. De repente, uma policial enorme, gorda, invadiu a minha cabine gritando. Eu acordei daquele jeito: coração desparado, cega, procurando o óculos e muito, muito assustada. Na hora achei que ela estivesse pedindo o meu bilhete. Então, quando mostrei, ela começou a gritar comigo!!! Muito brava! Ela fez sinal de "vem comigo" e eu, ainda muito assustada, segui. Ela me mostrou o um papel sulfite colado na janela do vagão, que dizia o nome de uma cidadezinha nada a ver. Ela bateu na janela, dizendo "YOU, KRAKOW! THIS, NOT!!!!". Eu tomei outro susto, peguei minhas coisas correndo e troquei de trem. Pouco depois, os vagões se separaram...

Acordei já na Cracóvia, não tinha mais ninguém no trem. Desesperada, achei meu óculos, joguei minhas malas na plataforma de qualquer jeito e, assim que eu saí, o trem foi embora.

Mais uma vez perdida, pedi ajuda a umas seis pessoas. Até a faxineira da estação, quando perguntei sobre o banheiro, gritou comigo... Desamparada, vi alguém com um mochilão e abordei. Depois de falar por uns cinco minutos com ele em inglês, descubro que é brasileiro. Como não adivinhei dessa vez, deus????

Ele foi um fofo, me levou até o meu albergue e vai amanhã pra Auschwitz com a gente (comigo, o Rodrigo e o Tiago, os dois primos que eu conheci em Praga, lembra?)

Eles estÃo aqui do meu lado me enchendo para eu terminar logo, vamos pra balada... To tomando quentão.

Hoje dormi até 16h, tive que trocar de albuergue (por falta de hóspedes o primeiro ia fechar) e mais tarde saí passeando pela cidade, sozinha. De longe, foi a que mais gostei. Perdi todo o preconceito que tenho contra os poloneses. Me senti muito confortável aqui, entrei na igreja mais bonita da minha vida (talvez depois da Santa Maria Del Mar, em Barcelona) e, que nem madame, entrei num restaurante e comi um tagliatele com mushrooms e lambrusco tinto.

Agora já estou sob o efeito de Wyborowa (o Rodrigo acabou de me soletrar). Não sei mais o que to falando.

Tenho que ir.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

ABSURDO





Para o alívio dos meus leitores mais preguiçosos, terei de ser muitíssimo breve neste post. Pretendo pegar o trem das 21h30 para a Cracóvia e acabei de chegar de mais um dia de andanças pela linda Praga.

Mas apesar de finalmente ter visto a hora cheia bater no Orloj - e me sentir patética no meio de um monte de turistas que também esperavam as 17 horas -, de entrar, do nada, em uma capela e assistir a um concerto de música clássica com órgão, arpa, piano e violino na biblioteca barroca do primeiro andar da construção (depois saí cantarolando Carmem no bondinho!), de conhecer a rua Parizska, com as lojas mais chiques do mundo, espiar a Tyn Church por suas portas de vidro (ela estava fechada por causa do "mau tempo"), de descobrir que dá para subir na torre da Charles Bridge e mais um monte de outras coisas, o ponto alto do dia aconteceu antes de sair do albergue, o Czech Inn (que não tem o mesmo cheiro que o bar homônimo de Dublin, no Temple Bar, graças a deus).

Eu terminei de arrumar as minhas malas e ia descer para fazer o check out antes do meio-dia, para ainda ter tempo de tomar o café da manhã. Mas um grupo de meninas que chegaram no quarto começaram a puxar conversa e eu só consegui sair 15 minutos depois. Virei à esquerda no corredor branco e vazio, tudo às moscas. Chamei o elevador.

Quando a porta abriu, dou de cara, DE CARA, com o Pablo e a Karem, amigos muito queridos que trabalharam comigo no National Concert Hall, em Dublin. NÃo é o máximo?????? Eu sabia que eles viriam, mas não consegui me comunicar com eles e não conseguimos combinar nada, apesar de o primeiro dia deles em Praga ser meu último aqui. Nem em qual albergue eu fiquei hospedada (e quem leu o blog há dois dias sabe como eu vim parar aqui), tinha falado para eles.

Coincidência? Destino?

Foi tão emocionante! Primeiro vi o Pablo, depois a Karem. Gritei feito uma louca, mas a minha reação foi a pior: saí correndo, corri por todo o corredor e me escondi!!!! O Pablo até chorou... Bonito, né?

E tudo isso que eu disse que eu fiz hoje foi muito mais legal na companhia deles.

Vou nessa, porque se eu perder esse trem... Acho que nem amanhã de manhã! Se tudo der certo devo chegar às 6h30 em Cracóvia!

E dessa vez tenho até albergue reservado.

((Foto 1: Olha aí as duas figuras! A cidade ficou mais bonita com eles!))

((Foto 2: Segundo o Pablo, o aviso diz Favor Não Pisar Na Grama.))

((Foto 3: Felizes))

((Foto 4: Shop Street - a diferença dessa aí com a Oscar Freire é que aqui todas as outras são iguais ela, enquanto a Oscar Freire faz parte de um país que fica longe do Brasil))

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Get lost!!!






Ontem eu passei a noite em claro.

Quando finalmente estava indo dormir, às 4h, depois de terminar o livro e escrever para este blog, o recepcionista do albergue em que estou hospedada - que aliás parece hotel três etrelas - me ofereceu um chá. Na hora fiquei com o pé atrás... Deveria eu perguntar o preço ou, faminta, simplesmente aceitar a oferta prontamente?? (apesar de que de nada adianta um chá com aquela fome da madrugada, principalmnte quando a única refeição (chinesa) do dia já foi há oito horas).

Talvez porque ele estivesse entediado (turnos noturnos sempre tendem ao tédio, qualquer que seja a área profissional), e porque eu optei pela segunda alternativa (a de aceitar o chá prontamnte!), ele então me ofereceu uma torta de maçã!! Como recusar?? Fui com ele fazer uma roubatinha na cozinha do albergue, veja só que ironia, uma roubatinha autorizada! Acho que já perdi o conceito das roubatinhas!

Então, pendurada no balcão da recepção, passei as três horas seguintes filosofando sobre a vida com ele, o chá e a tortinha. O capitalismo foi um tema muito óbvio, trocamos para felicidade, mas aí dinheiro surgiu de novo, falamos de bom-humor (ele era muito legal para um checo), sobre profissão, futuro, envelhecimento, funcionamento das válvulas do coração... Enfim, o suficiente para que três horas se passassem. E eu, que tinha um compromisso às 8h - tomar café da manhã com os meninos e devolver o livro para o rodrigo - muito importante, note-se, decidi ir para o banho em vez de ir para a cama. Fiquei outra.

Decidi até que não vou dormir nunca mais, não vou mais perder tempo!

Só que depois daqueles ovos com bacon (pois é), pães, cereais e tudo o mais, bateu a alcalose e fui tirar um cochilo. Falei para os meninos irem sem mim, que eu os alcançaria (onde e como eu não sei). Meio dormindo, meio acordada, marcamos de almoçar num restaurante típico checo às 14h. Pela primeira vez em um encontro, eu estava adiantada, sentadinha lá, esperando, desde às 13h50. Nada deles. Às 14h20, resolvi tomar uma sopinha em vez do joelho de porco gigante previamente combinado. De novo estava sozinha. E não é que foi legal? Comi, saí pela cidade velha, visitei um monte de galerias de arte super bacanas, bares subterrâneos, e entrei em várias lojinhas de bonecos ventrílocos - acho que estou começando a gostar demais deles.

Depois, subi na torre do Orloj, relógio astronômico medieval que fica na Praça da Cidade Velha. Ele é todo cheio de detalhes bem visíveis lá de baixo. Mas achei que pudesse compensar pagar 100 coroas para subir e, de repente, ver o funcionamento desse planetário primitivo composto por símbolos do zodíaco, da lua e do sol, números romanos e representação do céu e de Praga no centro. Mas quando eu subi pelo elevador super moderno que não combina muito com a torre medieval, percebi que o passeio não tem nada a ver com o relógio em si - que desperta a curiosidade de qualquer um - mas apenas com vista lá de cima que, ok, é linda, mas não o suficiente para que eu escondesse minha decepção do moço vestido de guardinha medieval.

Em vez de entrar nas igrejas ao redor da praça (que também tem uma Starbucks estratgicamente localizada, o que começa a me parecer estranho), fui para o escritório de informação da cidade, onde conheci o segundo checo mais legal de Praga. Ele me explicou tanta coisa, mas tanta, que eu já estava até sem graça de ir embora (eu sei que não faz sentido). Assinalou os bares que ele pessoalmente mais gosta de ir, mesmo sem que eu perguntasse. No final, suspirou. "Oh, It kind of makes me want to wander around a little bit as well!", como se fosse a primeira vez que ele, o moço do balcão de informações, informava alguém. No que eu, muito educadamente, respondi: "Do you wanna join me?" Ele disse que já fez muito isso e que inclusive levou gente para dormir em casa (antes que o leitor ache essa cena do escritório de informações estranha para os padrões turísticos normais, já antecipo que é gay, bem gay).

Por fim ele me explicou como eu poderia usar o meu ticket transporte 24 horas, pegando qualquer trem, metrô, ônibus e até funicular para conhecer a cidade em um dia. Eu me empolguei tanto com a ideia que saí correndo em direção ao bonde número 12, cuja rota me pareceu interessante. Para chegar no ponto de onde ele sai, passei pela Karluv Moste e fiquei louca com a Staronová Synagoga. Agora, quando passei em frente ao Rudolfinum, casa da Orquestra Filarmônica Checa, não resisti e entrei. Fui direto para box office: 10 euros para assistir ao concerto de sexta-feira, às 19h30, no pior lugar. Na hora eu mentalmente comecei a trocar todos meus os planos de viagem. Mas agora decidi que em vez de ficar outros dois em Praga só para isso, vou visitar Viena e assisto um concerto lá. Does it sound like a good plan?

Atravessei a linda ponte Mánosuv Most e, quando cheguei do outro lado, um pouco perdida, pedi informação para um senhor com um uniforme não sei de onde. Ele, sem entender o que perguntei, me deu a resposta errada, o que eu só percebi depois de ter ido para o extremo norte da cidade, o completo oposto de onde eu deveria chegar.

Meu pai um dia me disse que ninguém se perde para sempre, mas dessa vez eu quase duvidei da máxima dele. Fui salva por uma mulher que não falava uma palavra de inglês e que queria tanto me ajudar que tentou se comunicar comigo em alemão (coitada!). Dentro do segundo bonde, que eu acreditava ter pego no sentido contrário do primeiro equivocado, descobri que estava me perdendo ainda mais. Falei para ela que precisava chegar em qualquer estação de metrô. Quando ela entendeu a palavra metrô (porque subway não adiantou), apontou para ela própria, no que eu entendi que esse era também o seu destino. Saímos daquele bonde, pegamos outro, saímos de novo, andamos um monte no meio da nevasca juntas. Já era noite e eu, achando esquisita aquela situação da incomunicabilidade, resolvi falar mesmo assim.

Durante uns dez minutos tentei contar pra ela que eu sou brasileira e que por isso andava que nem um pato na neve (acho que ela não entendeu a piada), disse que pela primeira vez eu viajava sozinha e contei para ela todo o meu itinerário (foi a parte em que me senti mais confortável, porque ela entendeu o nome de todos os países, ufa!). O engraçado é que ela imitava as minhas reações fingindo que estava entendendo. Chegamos na estação. Ele me levou até a catraca e estendeu a mão, como quem diz: "Isso é o metrô". Eu agradeci muito e, para minha surpresa, ela virou as costas e foi embora, não embarcou. No balcão de informações, eu precisava saber para qual plataforma seguir (nunca tinha andado de metrô aqui antes e não tinha noção de onde eu estava). A mulher me respondeu em checo. Eu olhei para ela. Ela me olhou. Repetiu em checo, bem devagarzinho, com um movimento de boca mais lento. Esforçada. Mas, claro, não faz muita diferença ela falar em checo rápido ou devagar, faz?

Depois disso ainda tive que pegar outro bonde e passar muito frio.

Dizem que o legal em Praga é "se perder por aí". Sério, no meu guia mesmo está escrito! "Get lost"...
..."And be fucked!" - essa é a parte que esqueceram de publicar.

De agora em diante, não vou aceitar dicas de qualquer um.


((Foto 1: Atravessando a ponte, pouco antes de me perder))

((Foto 2: Tyn Church de cima da super torre))

((Foto 3: É bonito, histórico, de um valor imensurável... Mas você consegue ver as horas nesse relógio? Acho que prefiro o big ban))

((Foto 4: Vou mudar de profisão e manipular ventrílocos na Paulista quando eu chegar no Brasil))

((Foto 5: Olha o tamanho do barril de pilsen no U Vejvodu, o restaurante checo))